O ramal conta com movimentações regulares de derivados de petróleo, cal, químicos, minério de ferro, minério de cromo, minério de magnesita, cimento e contêineres (Foto: Divulgação)

A VLI – companhia de soluções logísticas que opera terminais, ferrovias e portos –, administradora da Ferrovia Centro-Atlântica (FCA) – movimentou,  de janeiro a junho de 2021, pelo corredor Minas-Bahia, ramal integrante da FCA, cerca de 4 milhões de toneladas, volume 32% maior que o registrado no mesmo período do ano passado. Nos últimos dois anos, o número de clientes atendidos pela VLI via corredor Minas-Bahia também teve alta de 25%.

O corredor Minas-Bahia da FCA atua como um importante ramal logístico para os setores produtivos em razão de uma característica singular: a vocação para o transporte de cargas gerais. O ramal conta com movimentações regulares de derivados de petróleo, cal, químicos, minério de ferro, minério de cromo, minério de magnesita (com destino ao Porto de Aratu e Minas Gerais), cimento (com destino ao Porto de Aratu) e contêineres. Apenas na Bahia, os municípios de Alagoinhas, Castro Alves, Iaçu, Licínio de Almeida, Camaçari, Brumado, Campo Formoso, Candeias, Pojuca e Itiúba integram o mapa ferroviário regional e atuam como pontos de carga e descarga de produtos.

Em nota, a a VLI informa que a “renovação antecipada da concessão da Ferrovia Centro-Atlântica abrirá ainda novas portas para um próximo ciclo de desenvolvimento. Avaliações iniciais do processo indicam uma oportunidade de investimento de R$ 13,8 bilhões na malha atual, a serem direcionados para melhorias na estrutura e ativos – o que inclui também a malha da FCA na Bahia”.

Em paralelo, outros investimentos têm sido realizados e destinados a projetos específicos no Estado. Desde o primeiro semestre deste ano, em parceria com a Bamin, estão sendo aplicados mais R$ 35,8 milhões no corredor, utilizados em material rodante, na reativação do terminal ferroviário em Licínio de Almeida e na construção de um terminal de transbordo ferroviário/rodoviário em Castro Alves.

A empresa diz ainda que outro exemplo de eficiência, por intermédio da integração de modais no corredor, é o atendimento da Braskem, uma solução inovadora idealizada em parceria com a Tora. Desde o início deste ano, a nova operação combina o uso de caminhões e trens para oferecer uma alternativa mais eficiente e sustentável ao mercado. O trajeto contempla aproximadamente 1.650 quilômetros ferroviários entre os polos industrializados de Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (MG), e Camaçari (BA). A complementação do deslocamento, executada pela Tora, via modal rodoviário, possibilita a interligação entre os estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Bahia.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here

1 × 4 =