Fruto apreciado mundo afora, o cacau tem na sua semente a matéria-prima para produção do chocolate. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o país produz cerca de 260 mil toneladas de cacau por ano, sendo a maior área de cultivo na Bahia. Após uma crise na produção, por causa de uma doença fúngica, chamada vassoura-de-bruxa, pesquisadores iniciaram um estudo para buscar alternativas de melhor aproveitamento do fruto. O projeto, executado na Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, conta com o trabalho dos pesquisadores Marcondes Viana (Uesb), Suzana Caetano, da Universidade de São Paulo (USP), Elias Nascimento e Danilo Ramos, ambos da Uesb.

A pesquisa, que teve início em 2011, investigou a caracterização físico-química, bioquímica, microbiológica e de estabilidade do mel de cacau, que é extraído da polpa do fruto. A tecnologia consiste na secagem do mel de cacau, que pode ser realizada pelo método de liofilização spray dryer, tambor ou estufa. “Depois da etapa de desidratação do produto, procedeu-se a adição parcial ou total em formulações de chocolate em substituição à sacarose ou açúcar refinado. Esse tipo de procedimento ainda não é explorado pela indústria de chocolates. Após a constatação de excelentes resultados de processamento e análise, percebemos a possibilidade de patentear tal invenção”, explica Marcondes Viana.

Disponível para licenciamento, a tecnologia foi finalizada em 2013, com o pedido da patente, depositado pela Agência USP de Inovação, concedida pelo INPI em 2021. De acordo com o professor Marcondes, a certificação conferida pela entidade pública é muito significativa à cultura do cacau e aos pesquisadores. “É importante para a cadeia produtiva cacaueira, não somente para a região sul baiana, como também para a indústria brasileira e internacional, além de incentivar a continuidade tecnológica na geração de novos produtos alimentícios derivados do cacau, proporcionando retorno à sociedade do valor investido em pesquisas”.

Marcondes Viana destaca o valor que o mel de cacau tem para o agronegócio e à sociedade, pois é uma tecnologia que apresenta uma nova forma de aproveitar o cacau, já que a indústria só utiliza as amêndoas do fruto. Além disso, a inovação acrescenta valor nutricional ao chocolate e ao sorvete. “A aplicação desse mel substitui parcial ou total do açúcar refinado, a sacarose, em composições alimentícias, o que agrega valor nutricional aos produtos formulados. O aproveitamento desse subproduto traz o conceito de sustentabilidade à produção de cacau e isso gera competitividade no mercado, além de ampliar a contribuição social e econômica para a lavoura cacaueira”.

Bahia Faz Ciência

A Secretaria Estadual de Ciência, Tecnologia e Inovação (SECTI) e a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia ( Fapesb) estrearam no Dia Nacional da Ciência e do Pesquisador Científico, 8 de julho de 2019, uma série de reportagens sobre como pesquisadores e cientistas baianos desenvolvem trabalhos em ciência, tecnologia e inovação de forma a contribuir com a melhoria de vida da população em temas importantes como saúde, educação, segurança, dentre outros. As matérias são divulgadas semanalmente, sempre às segundas-feiras, para a mídia baiana, e estão disponíveis no site e redes sociais da Secretaria e da Fundação. Se você conhece algum assunto que poderia virar pauta deste projeto, as recomendações podem ser feitas através do e-mail [email protected]

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here

11 − 10 =