Bahia avança na geração de energia solar e prevê 33 mil empregos no setor até 2024

Em 2020, a Bahia teve um crescimento de 136% na capacidade adicionada de geração distribuída

No Dia do Sol, comemorado nesta segunda-feira (3), a Bahia celebra seu alto potencial de geração com excelentes níveis de radiação, responsáveis pela geração de negócios, empregos e renda para o Estado. De acordo com os últimos dados lançados pela Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), a Bahia é líder na produção de energia solar no país e, em 2020, foi responsável por 31,7% de toda energia gerada pela fonte. Parques em construção devem gerar 33 mil postos de trabalho no estado até 2024.

A Bahia possui uma ampla área para instalação de usinas solares na região do semiárido, mas o destaque não é somente na geração centralizada, o Estado possui grande potencial para geração distribuída, tanto na microgeração, até 75 Kilowatt (KW), quanto na minigeração, até 5 Megawatt (MW), na qual os painéis são instalados em residências e prédios comerciais. Somente na área residencial, o potencial de geração distribuída é 4,4 vezes maior que o consumo existente de energia elétrica residencial, conforme dados da Empresa de Pesquisa Energética (EPE).

“O sol é vital para a sobrevivência humana. E nós, do Governo do Estado, alavancamos seu potencial trabalhando em várias frentes. O mapeamento de escala detalhado do Atlas Solarimétrico da Bahia, por exemplo, fomenta o desenvolvimento e nos ajuda a atrair investimentos para a Bahia. Oferecemos aos empreendedores apoio institucional no licenciamento ambiental, regularização de áreas e benefícios fiscais para a implantação de empreendimentos”, afirma o vice-governador João Leão, secretário de Desenvolvimento Econômico da Bahia.

Panorama

Na Bahia, em se tratando de Geração Centralizada, a luz solar é responsável pelo funcionamento de 29 usinas fotovoltaicas (777 MW), cinco estão em construção (273 MW) e outras 66 (2,2 Gigawatts) terão a construção finalizada até 2024, respeitando a data de entrega da energia a ser gerada. Juntos, os empreendimentos somam um volume de investimentos de R$ 13,5 bilhões.

Aproximadamente 10 mil postos já foram gerados na construção das 29 usinas que já estão em operação e mais de 33 mil estão previstos. São 15 municípios beneficiados com os projetos, principalmente na região semiárida do estado. Os três municípios com mais projetos são: Juazeiro, com 30 (965 MW), Barreiras com 14 (422 MW) e Bom Jesus da Lapa com 16 (410 MW).

Até junho deste ano, quando ocorrerá os leilões A-3 e A-4 da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), o número de projetos pode ser ainda maior na Bahia. A fonte solar do estado foi quem mais teve cadastros – 306 empreendimentos -, com um total de 12 GW, em 24 municípios baianos. Bom Jesus da Lapa teve o maior potencial cadastrado (1,5 GW), seguido de Correntina (1,1 GW) e Buritirama (932 MW).

Geração Distribuída

Em 2020, a Bahia teve um crescimento de 136% na capacidade adicionada de GD em relação a 2019 e atualmente o estado ocupa o 10º lugar no ranking. São 17,8 mil empreendimentos de micro e minigeração distribuída, totalizando 183 MW e 20,4 mil unidades consumidoras que recebem os créditos dos projetos, conforme dados da Aneel, de 28 de abril de 2021.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here

um × 5 =