Fechou tudo. As medidas restritivas impostas pelos governos, na tentativa de evitar o colapso do sistema de saúde, fizeram com que aqueles negócios que já estavam capengando fossem direto pra cadeira de rodas.

Muito triste ver empresas fechando, principalmente,os restaurantes e seus congêneres. Só esta semana, acompanhei de perto o fechamento de algumas dessas empresas, umas de amigos próximos, outras através de notas de despedida em redes sociais.

Empresas recentes que começaram um pouco antes da pandemia, e até durante este período, que se viram em meio à tormenta e se seguraram como puderam. Não resistiram.

Empresas antigas, algumas com mais 45 anos no mercado, que não se imaginavam tão frágeis diante de um cenário tão devastador. Também não resistiram.

É duro.

Não é minha intenção fazer aqui apologia política, e sim, aumentar e fazer ecoar o grito de dor que vem do setor de alimentação.

Este mês deixei de investir em um restaurante. Ele vinha dando prejuízo durante este período pandêmico e eu acreditava que, no cenário de flexibilização do início do ano, com um cardápio legal, uma comunicação certeira e um bom atendimento, seria possível segurar em curto e médio prazos, e deslanchar em longo prazo.

Não é minha intenção fazer aqui apologia política, e sim, aumentar e fazer ecoar o grito de dor que vem do setor de alimentação

Ledo engano. Veio o fechamento e com ele vieram as revisões dos estudos, via projeções de cenários. Digo a vocês com propriedade: impossível manter viva uma estrutura de consumo presencial apenas com o sistema delivery.

Ou você enxuga tudo e se transforma nesse modelo de negócio, ou você está fora. Vai pagar pra trabalhar! E não vou nem entrar no mérito de ter as empresas de entregas como “sócios”.

Mas, você deve estar se perguntando, e se abrir em breve? Respondo como minha saudosa avó, Dona Senhora: “quando será este quando?”.

Sim, é uma aposta. E como toda aposta, alguém pode até se dar bem. Mas existem diferenças entre investidor e apostador. Confio em números, em projeções de cenários, em opinião de especialistas e em minha intuição. Sim, respeite e valorize a sua intuição. Não vá aonde seu coração não quer ir. Saiba dizer não e mantenha o foco.

Ninguém sabe quando isso vai acabar. Aliás, ninguém sabe de muita coisa, desde que tudo começou. Há sinais de uma possível reabertura, mas estamos à mercê não só do vírus, mas também do poder público e do comportamento social.

Vírus, poder público e comportamento social. Perceberam?

O sucesso do SEU negócio não está em suas mãos. O sucesso dos negócios que ainda estão, milagrosamente, mantendo-se abertos, sem nenhum tipo de compensação, diminuição de impostos ou redução de tarifas, está comprometido e com futuro incerto.

O grito de dor é mais alto que conseguimos ouvir.

Estão fechando tudo, inclusive nossos sonhos.

Sim, os nossos sonhos têm seu Valor.

Aqui em nossa coluna iremos encontrar uma diversidade de temas, sempre associados à gastronomia, que irão desde receitas e dicas, até reflexões e relatos de vida.

Sou ProfChef CRIS MARCO e desejo a você um fim de semana de Valor.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here

quatro × 3 =