Produção da indústria baiana reage e cresce 11,1% de junho para julho

A produção industrial na Bahia acumula queda de 7,1% nos primeiros sete meses de 2020 9 (Foto: Governo de São Paulo)

A produção industrial da Bahia apresentou sua terceira variação positiva consecutiva  em julho (11,1%) frente ao mês anterior, na comparação com ajuste sazonal. O crescimento do setor  nesse confronto foi bastante superior ao registrado na passagem de maio para junho (2,1%), acima do nacional (8%) e o 5º maior entre os 15 locais pesquisados pela Pesquisa Industrial Mensal (PIM-PF) Regional do IBGE.

Ainda assim, o setor fabril no estado mantém uma queda acumulada na produção de -12,2% entre os meses de março e julho, período da pandemia da Covid-19. De junho para julho, a indústria teve resultados positivos em 12 dos 15 locais. Os melhores desempenhos se apresentaram no Ceará (34,5%) e Espírito Santo (28,3%), enquanto que Mato Grosso (-4,2%), Goiás (-0,3%) e Paraná (-0,3%) foram os únicos estados com queda.

Apesar do resultado positivo frente a junho, em relação a julho de 2019, a produção industrial baiana seguiu em queda (5,7%). Foi o quarto resultado negativo consecutivo nesse confronto, mas mostrando desaceleração no ritmo de recuo em relação aos meses anteriores (-26,2% em abril, -20,6% em maio e -14,6% em junho).

No acumulado de janeiro a julho de 2020, a produção da indústria na Bahia acumula perda de 7,1%, em relação ao mesmo período de 2019. O resultado é melhor que o do Brasil como um todo (-9,6%). Nos 12 meses encerrados em julho, a indústria na Bahia também se mantém no negativo (-5,6%), frente aos 12 meses imediatamente anteriores. O resultado está praticamente idêntico ao verificado no Brasil como um todo (-5,7%).

Produção automobilística  e metalurgia

O recuo na produção industrial da Bahia na comparação com julho de 2019 (-5,7%) refletiu as quedas na indústria de transformação (-5,9%), quarto recuo consecutivo, e da indústria extrativa (-2,8%), que voltou a cair após resultado positivo em junho.

Das 11 atividades da indústria de transformação investigadas separadamente no estado, 4 tiveram quedas de produção, com destaques, mais uma vez, para a metalurgia (-59,4%) e fabricação de veículos automotores, reboques e carrocerias (-51,4%).

Os segmentos apresentaram os maiores recuos e deram as principais contribuições para o resultado negativo da indústria baiana como um todo.

A indústria automobilística no estado cai seguidamente desde fevereiro e tem o pior desempenho nos primeiros sete meses de 2020, com uma produção 52,7% menor do que a do mesmo período de 2019.

Já a metalurgia vem em quedas seguidas há mais tempo, desde setembro de 2019, e acumula recuo de -37,6% nos primeiros sete meses de 2020.

Entre as 7 atividades industriais com aumento de produção em julho20/ julho/19 na Bahia, os destaques, em termos de magnitude da taxa, foram para fabricação de equipamentos de informática, produtos eletrônicos e ópticos (29,9%) e fabricação de bebidas (23,5%).

A atividade que mais contribuiu reduzir a queda da produção industrial baiana em junho foi, novamente, a fabricação de coque, de produtos derivados do petróleo e de biocombustíveis (18,8%), que teve o terceiro maior crescimento, mas tem o maior peso na estrutura do setor industrial no estado. Também é de longe o segmento com melhor desempenho em 2020, mostrando alta acumulada de 26,8% de janeiro a julho.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here

2 × 1 =