Com pandemia, produção da indústria baiana tem queda recorde

A fabricação de veículos e a metalurgia puxaram a queda da indústria (Foto: Alberto Coutinho/GOVBA)

A  produção industrial da Bahia mostrou, em abril,  as maiores quedas da série histórica da Pesquisa Industrial Mensal (PIM-PF) do IBGE, iniciada em 2002, tanto frente ao mês anterior (-24,7%), descontados os efeitos sazonais, quanto na comparação com o mesmo mês do ano anterior (-26,5% em relação a abril de 2019). Os resultados refletem os efeitos do isolamento social para controle da pandemia de Covid-19, com a paralisação ou redução expressiva das atividades em várias unidades produtivas.

De março para abril, o recuo da atividade fabril na Bahia (-24,7%) foi mais intenso que o nacional: a produção industrial brasileira teve queda de -18,8% nessa comparação, também a mais acentuada da série histórica. Houve recuos em 13 dos 15 locais pesquisados pelo IBGE.

Amazonas (-46,5%) e Ceará (-33,9%) tiveram as maiores retrações, enquanto a indústria voltou a crescer no Pará (4,9%) e em Goiás (2,3%), após as quedas verificadas na passagem de fevereiro para março. Nesse confronto, a Bahia teve a 5ª maior retração.

Em relação a abril de 2019, a produção industrial baiana (-26,5%) caiu um pouco menos que a nacional (-27,2%), mostrando o primeiro resultado negativo no ano de 2020, depois de três altas nesse confronto (+8,0% em janeiro, +6,9% em fevereiro e +5,8% em março).

Dentre as 15 áreas pesquisadas, 13 tiveram quedas (a da Bahia foi a 9ª), com destaque mais uma vez para Amazonas (-53,9%) e Ceará (-53,0%). Pará (37,6%) e Goiás (0,4%) foram também os únicos a apresentar resultados positivos.

Com o resultado de abril, a produção da indústria baiana já mostra queda acumulada de -1,8% no ano de 2020, na comparação com o mesmo período de 2019. O resultado é melhor que o do Brasil como um todo (-8,2%).

Nos 12 meses encerrados em abril, a produção industrial baiana também se mantém no negativo (-2,5%), frente aos 12 meses imediatamente anteriores. O resultado está pouco acima do verificado no Brasil como um todo (-2,9%).

Produção automobilística cai 97,2%

O recuo histórico na produção industrial da Bahia na comparação com abril de 2019 (-26,5%) refletiu quedas tanto na indústria de transformação (-26,6%) quanto na indústria extrativa (-24,9%).

Das 11 atividades da indústria de transformação investigadas separadamente no estado, apenas 3 tiveram resultados positivos: fabricação de celulose, papel e produtos de papel (5,6%), fabricação de coque, de produtos derivados do petróleo e de biocombustíveis (4,2%) e a indústria alimentícia (1,8%).

Por outro lado, dentre as 8 atividades industriais com queda na produção no estado, o principal impacto negativo veio da indústria automobilística. A fabricação de veículos automotores, reboques e carrocerias caiu expressivos -97,2% frente a abril de 2019.

Foi o maior recuo no mês e a maior contribuição para o resultado negativo em geral. A queda na produção de automóveis foi decisiva também para o recuo na fabricação de produtos de borracha e material plástico (-67,6%), que teve a terceira maior retração e o segundo principal impacto negativo na indústria da Bahia, em abril.

O tombo na indústria de automóveis no estado foi o segundo maior da série histórica, acima apenas do verificado em dezembro de 2008, quando a atividade teve sua produção zerada (-100,0%) frente ao mesmo mês do ano anterior.

Já a queda na fabricação de materiais de borracha e plástico foi a maior da série, iniciada em 2003 para os indicadores por segmento produtivo.

Por sua vez, as três atividades industriais em alta na Bahia (derivados de petróleo, celulose e alimentos) sustentam resultados positivos desde janeiro deste ano, embora tenham mostrado redução no ritmo de crescimento da produção em abril.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here

13 + 15 =