Safra de grãos da Bahia deve chegar a 8,12 milhões de toneladas

Chuvas abundantes e bem distribuídas ao longo do ciclo, beneficiaram as lavouras no Oeste baiano (Foto: Abapa/Divulgação)

A estimativa de maio para a safra baiana de cereais, leguminosas e oleaginosas (também conhecidas como grãos), em 2018, totalizou 8.125.214 toneladas, o que representa um aumento de 0,6% em relação à safra 2017 (8.078.077 toneladas). A previsão de crescimento na produção de grãos no estado avançou em relação a abril, quando a estimativa era de uma safra 0,1% maior que a de 2017.

Na Bahia, a área a ser colhida com grãos também segue em crescimento e deve chegar a 3.088.055 hectares em 2018, 1,5% a mais que em 2017, quando foi de 3.050.718 hectares.

Enquanto, no estado, as estimativas são de uma safra maior neste ano, no país como um todo, a previsão é de uma queda de 5,2% na produção de cereais, leguminosas e oleaginosas, que deve totalizar 228,1 milhões de toneladas, frente às 240,6 milhões de toneladas de 2017 (menos 12,5 milhões de toneladas).

Segundo a estimativa de maio, o estado deve contribuir com 3,6% da produção brasileira de grãos em 2018, mantendo-se como oitavo maior produtor. Mato Grosso deverá continuar na liderança, com uma participação de 25,9%, seguido pelo Paraná (16,1%) e Rio Grande do Sul (14,2%).

As informações são do Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA), realizado mensalmente pelo IBGE. O grupo de cereais, leguminosas e oleaginosas (grãos) engloba os seguintes produtos: arroz, milho, aveia, centeio, cevada, sorgo, trigo, triticale, amendoim, feijão, caroço de algodão, mamona, soja e girassol.

Estimativa da safra baiana de algodão segue em alta

A quinta estimativa da produção nacional de algodão, em 2018, alcançou 4,7 milhões de toneladas, aumento de 4,5% em relação à previsão de abril e 21,6% maior que a safra de 2017 (3,8 milhões de toneladas).

A Bahia contribuiu para essa revisão para cima, apresentando o segundo maior aumento, em termos absolutos, na produção estimada de algodão, entre abril e maio: +57,5 mil toneladas, menor apenas que o incremento previsto em Mato Grosso (+144,7 mil toneladas).

Assim, a safra baiana de algodão 2018 está estimada em 1,1 milhão de toneladas, 5,7% maior que a prevista em abril e 29,0% superior à safra de 2017 (833,5 mil toneladas).

No estado, o aumento na estimativa da produção é resultado, principalmente, da ampliação de 1,6% na área plantada, de abril para maio. Ela deve chegar a 264,2 mil hectares neste ano, 29,4% maior que a área plantada em 2017 (204,1 mil hectares). Além disso, o rendimento médio previsto em maio (4.070 kg/ha) ficou 4,0% acima da estimativa de abril – embora ainda esteja levemente abaixo (-0,3%) do verificado no ano passado (4.084 kg/ha). O clima tem beneficiado as lavouras no Oeste baiano.

A Bahia é o segundo maior produtor de algodão do país e deve responder por 23,0% da safra nacional do produto em 2018. Mato Grosso lidera, representando 66,8% da estimativa da produção.

Estimativa da produção de café canephora (conillon) cresce 38,2%

Estimada em 3,4 milhões de toneladas, ou 57,1 milhões de sacas de 60 kg (aumento de 3,2% em relação a abril), a produção brasileira de café (total) deverá ser recorde em 2018 e 23,3% maior que a de 2017. O rendimento médio aumentou 3,3%, de abril para maio, em decorrência do clima.

A produção do café arábica deve ser de 2,6 milhões de toneladas (43,4 milhões de sacas de 60 kg) e teve aumento de 2,9% em relação ao previsto em abril, com o rendimento médio em alta de 3,2% de um mês para o outro.

Para o café canephora (conillon), a estimativa da produção está em 822,0 mil toneladas (13,7 milhões de sacas de 60 kg), 4,1% maior que a previsão de abril. Neste caso, o destaque coube à Bahia, que elevou sua estimativa da produção para 117 mil toneladas (1,9 mil sacas de 60 kg), aumento de 38,2% em relação a abril.

A abundância e boa distribuição das chuvas favoreceu a produção no estado. O rendimento médio teve aumento de 29,5%, de abril para maio, chegando a 2.438 kg/ha. Ainda assim, ainda está 1,5% menor que o de 2017, o que, ao lado da redução de 2,0% na área plantada, de um ano para o outro, contribui para que a safra prevista para 2018 ainda esteja 3,6% menor que a colhida em 2017 (121,4 mil toneladas).

12 das 26 safras de produtos investigados na Bahia devem ser maiores 

Das 26 safras de produtos investigadas pelo LSPA na Bahia, 12 devem ter crescimento neste ano, em relação a 2017.

No estado, as produções com previsão de maior crescimento, em termos absolutos, são as de cana-de-açúcar (+1,4 milhão de toneladas ou +44,8%), algodão herbáceo (+241,8 mil toneladas ou +29,0%) e milho 1ª safra (+97,3 mil toneladas ou +6,4%). Por outro lado, as safras com maior estimativa de queda, em toneladas, são as de mandioca (-251,2 mil toneladas ou -12,1%), laranja (-177 mil toneladas ou -17,6%) e o milho 2ª safra (-166,2 mil toneladas ou -32,1%).

A lista completa está na tabela a seguir.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here

onze − 10 =