Prévia da inflação oficial em abril é de 0,09% na RMS

Gastos com Saúde e cuidados pessoais (0,97%) e Habitação (0,31%) aumentam e puxam prévia da inflação para cima em abril

O  Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15) acelerou em abril na Região Metropolitana de Salvador (RMS), ficando em 0,09% (havia sido de -0,09% em março). Ainda assim, ficou abaixo da média do país (0,21%) e foi a menor variação positiva dentre as 11 regiões pesquisadas.

A RM de Recife (-0,07%) e o município de Goiânia (-0,10%) tiveram deflação, enquanto as maiores variações foram registradas nas regiões metropolitanas de Rio de Janeiro (0,43%) e São Paulo (0,28%) e em Brasília (0,27%).

Segundo o IBGE, de janeiro a abril de 2018, o IPCA-15 acumula alta de 0,90% na RMS, abaixo da média nacional (1,08%) e o menor acumulado no período desde o início de série regional do índice, em 2012.

Nos 12 meses encerrados em abril, o IPCA-15 está em 1,72% na RMS, também abaixo do índice nacional (2,80%) e o terceiro menor acumulado entre as regiões pesquisadas – acima apenas das regiões metropolitanas de Fortaleza (1,52%) e Belém (1,30%).

Gastos com saúde e moradia aumentam

Dos nove grupos de produtos e serviços que formam o IPCA-15, seis tiveram altas em abril, na Região Metropolitana de Salvador. A aceleração do índice em relação a março foi puxada, sobretudo, pelas variações dos grupos Saúde e cuidados pessoais (0,97%) e Habitação (0,31%).

Entre as despesas com saúde, destacaram-se as pressões inflacionárias dos planos de saúde (1,05%), segundo item que mais puxou o IPCA-15 de abril para cima em Salvador, e dos produtos de higiene pessoal (1,35%) e farmacêuticos (0,81%). Já o aumento das despesas com moradia foi fortemente influenciado pelo gás de botijão (4,50%).

Em abril, o grupo Alimentação e Bebidas (-0,21%) teve a principal contribuição no sentido de conter a prévia da inflação na RMS, com peso importante da alimentação em casa (-1,06%) e reduções em diversos itens de consumo diário, como pão francês (-2,80%), açúcar cristal (-6,58%) e frango inteiro (-4,08%). Em 12 meses, os alimentos em geral apresentam queda de 2,54% na RMS, segundo o IPCA-15.

Ainda assim, a alimentação fora do domicílio continua ficando mais cara e teve um aumento de 1,64% no mês. Em abril, a refeição fora (almoço ou jantar) teve aumento de 3,06% e exerceu a maior pressão individual para cima no IPCA-15 de Salvador. No ano de 2018, a alimentação fora de casa já acumula alta de 3,89% na RMS, mais de quatro vezes o índice geral de inflação; em 12 meses, o aumento chega a 6,44%.

Vale destacar também, no IPCA-15 de abril, a influência para baixo do grupo Transportes (-0,20%), refletindo reduções nos combustíveis (-0,95%), sobretudo da gasolina (-1,37%), item que, individualmente, mais contribuiu para segurar a prévia da inflação na RMS.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here

cinco × 2 =