Reconstrução da Síria vai custar US$ 250 bilhões, diz ONU

Enviado especial das Nações Unidas para a Síria, Staffan de Mistura (Foto: ONU/Violaine Martin/Arquivo)

A reconstrução da Síria custará pelo menos US$ 250 bilhões, disse nesta segunda-feira (28) Staffan de Mistura, enviado especial do secretário-geral das Nações Unidas para o país. Ele informou aos Estados-membros do Conselho de Segurança da ONU que a guerra dos últimos seis anos obrigou metade da população síria a fugir das suas casas.

De Mistura disse acreditar que chegou o momento da verdade para o diálogo, falando dos preparativos para a oitava rodada do diálogo de paz entre as partes do conflito que devem começar esta terça-feira (29) em Genebra, com participação de uma delegação do governo da Síria e representantes da oposição.

A ação de “várias partes e as várias mudanças de agenda” estiveram entre os obstáculos para se obter um acordo nos últimos anos, disse o enviado especial da ONU. Segundo ele, continua real “o perigo de fragmentação da integridade territorial, da soberania e da independência” da Síria.

De Mistura falou ainda da atuação Estado Islâmico do Iraque do Iraque e do Levante (EI), grupo terrorista que considerou o “maior e o mais rico da história. Os integrantes do EI vieram de mais de 100 países, praticando o uso da força contra civis numa escala horrível”, argumentou.

Comboio recuou

Ele destacou a preocupação das Nações Unidas com a violência ocorrida nas últimas semanas na parte oriental da região síria de Ghoutha, após um comboio de várias agências da ONU e da Cruz Vermelha da Síria não ter conseguido entrar na localidade de Nashabieh. Estima-se que 400 mil pessoas vivam nessa área rural de Damasco.

Os confrontos obrigaram o comboio a recuar com alimentos, artigos de saúde e de nutrição para mais de 7 mil necessitados da região. De Mistura disse que a decisão foi tomada após a ocorrência de bombardeios e explosões, apesar de terem sido dadas garantias de passagem segura antes do deslocamento do comboio.  (Por Eleutério Guevane, da ONU News)

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here

13 − 13 =