Petrobras mantém proposta de reajuste salarial de 1,73%

Paralisação pretende pressionar o governo a reduzir os preços do gás de cozinha e dos combustíveis

A Petrobras apresentou às entidades sindicais nesta sexta-feira (10/11) proposta com o objetivo de concluir a negociação do Acordo Coletivo de Trabalho. A companhia manteve o reajuste salarial em 1,73%. A nova proposta garante também vigência de dois anos para o Acordo Coletivo de Trabalho, assegurando o reajuste de 2018 de acordo com a inflação.

Em nota a empresa dia que a  “expectativa da companhia é que as negociações do ACT 2017 estejam concluídas o quanto antes, já que o atual acordo teve sua vigência prorrogada até 30/11. Caso a proposta seja aprovada e assinada até 21/11, o pagamento aos empregados do reajuste retroativo a setembro será feito em 30/11”.

A Petrobras também aplicou o reajuste de 1,73% para os benefícios educacionais e manteve o Programa Jovem Universitário. Nesta proposta, a companhia mantém os adicionais de Campos Terrestres e do Estado do Amazonas, reajustando-os pelo mesmo índice econômico: 1,73%.

Em relação às horas extras, a companhia propõe a remuneração em 75% naquilo que a empresa atualmente remunera em 100%, indo além do previsto pela legislação. Na primeira proposta, a empresa havia proposto remuneração das horas extras em 50%, equiparando ao estipulado pela legislação.

A estatal manteve a opção de redução de jornada de trabalho com redução proporcional de remuneração, incluindo a possibilidade de os empregados que atuam no regime administrativo flexível ou fixo optarem pela redução de cinco para quatro dias trabalhados por semana. A redução opcional de jornada de 8h para 6h continuará sendo oferecida aos trabalhadores do regime administrativo com horário flexível.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here

três × quatro =