Páginas falsas de emprego enganam mais de 300 mil brasileiros

As armadilhas solicitam dados pessoais e se apropriam de nomes de grandes empresas como Assaí, Americanas e Carrefour

O DFNDR Lab, laboratório de segurança digital especializado no combate ao cibercrime, identificou, somente no último mês, mais de 30 golpes que divulgam falsas vagas de emprego. Em um cenário com mais de 12 milhões de pessoas desempregadas, os golpistas utilizam essas armadilhas para levar o internauta a sites maliciosos, além de o induzir a compartilhar o golpe com amigos, fornecer seus dados pessoais e até mesmo as credenciais de acesso ao Facebook. Até o momento, mais de 300 mil pessoas curtiram ou estão seguindo essas páginas falsas na esperança de se realocarem profissionalmente.

image012As armadilhas se apropriam de nomes de grandes empresas, como Assaí, Coca-Cola, Carrefour, entre outras, para aparentar credibilidade e enganar usuários que buscam por processos seletivos. Apenas nos últimos 30 dias, mais de 150 mil pessoas foram impedidas de cair nesse tipo de golpe pelo aplicativo de segurança digital DFNDR Security, que oferece proteção em tempo real aos usuários, alertando-os se as páginas, inclusive de Facebook, são falsas ou não.

“Hackes estão se aproveitando da alta taxa de desemprego no país para chamar a atenção para falsas promessas de vagas. Na intenção de se recolar no mercado de trabalho, muitas pessoas estão se cadastrando em anúncios sem antes se certificarem sobre sua veracidade. Percebemos, ainda, que muitos brasileiros estão compartilhando seus números de celular nas páginas falsas na expectativa de aumentarem suas chances na conquista das vagas anunciadas, o que aumenta ainda mais o risco de roubo de dados e aplicação de outros golpes futuros pelos cibercriminosos”, comenta Emílio Simoni, diretor do DFNDR Lab.

Armadilhas

Ao clicarem nas armadilhas, que anunciam que grandes companhias estão contratando profissionais com urgência, as vítimas deparam-se com um formulário que solicita nome completo, data de nascimento e a posição profissional que gostariam de ocupar. Dependendo do golpe, também é solicitado o telefone de contato. Em seguida, após preenchimento, as páginas solicitam que, para darem andamento ao cadastro na vaga, o usuário compartilhe o processo seletivo com amigos pelo WhatsApp. Dessa maneira, o hacker consegue impactar um grande número de pessoas em pouco tempo.

Após o compartilhamento, o usuário é induzido a se cadastrar em serviços de SMS pago – que efetuam cobranças indevidas – ou baixar apps falsos, que podem infectar o smartphone e deixá-lo vulnerável a outros tipos de crimes e/ou prejuízo financeiro.

Para evitar cair em falsas oportunidades de emprego, os especialistas do DFNDR Lab reforçam a importância das pessoas utilizarem soluções de segurança que disponibilizam uma função de bloqueio anti-phishing, como o DFNDR Security, disponível gratuitamente na Google Play, cujo sistema é capaz de analisar todas as ameaças existentes no mundo virtual e bloqueá-las instantaneamente. Além disso, é importante que o usuário crie o hábito de se certificar sobre a veracidade de qualquer informação antes de compartilhá-la com seus contatos. Nestes casos, é possível usar a ferramenta de verificação de links do DFNDR Lab, no site www.dfndrlab.com.

Carrefour

Em nota, o Carrefour esclarece que as vagas de emprego circulando nas redes sociais são falsas. A empresa recomenda que os usuários ignorem a mensagem, que pode conter vírus, e reforça que somente divulga suas vagas por meio dos portais Vagas.com, Catho, Curriculum.com, InfoJobs e em seu perfil oficial no LinkedIn.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here

oito − oito =