Segunda etapa da Adutora do Algodão é inaugurada

Inauguração reunião o governador Rui Costa, a presidente da Codevasf, Kênia Marcelino, além de outras autoridades (Foto: Frederico Celente/Codevasf)

Água tratada vai passar a chegar regularmente às torneiras de mais 28 mil moradores do semiárido baiano. O anúncio foi feito neste sábado (05) pela presidente da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf), Kênia Marcelino, e pelo governador do estado, Rui Costa, durante a inauguração da segunda etapa do Sistema de Abastecimento de Água Integrado ao Sistema Adutor do Algodão (região de Guanambi) – também conhecido como Adutora do Algodão -, que resolve definitivamente o problema de fornecimento de água encanada para 34 mil habitantes da sede do município de Caetité e dos distritos de Maniaçu, Lagoa de Dentro e Lagoa de Fora.

A terceira etapa anunciada neste sábado é o seguimento da parceria entre os governos federal e estadual, com execução da Empresa Baiana de Águas e Saneamento (Embasa): recursos federais de R$ 34 milhões já estão assegurados. As novas obras, que preveem 72 km de tubulação de adutora, vão iniciar em dois meses e levar água às torneiras de 6,9 mil famílias do município de Lagoa Real e do distrito de Ibitira, no município de Rio D’Antônio.

“O governo federal continua apoiando as importantes obras que garantem o desenvolvimento da região”, destacou a presidente da Codevasf, Kênia Marcelino, que representou o ministro da Integração Nacional, Helder Barbalho, no evento de inauguração da segunda etapa da obra em Caetité. “Vamos manter a parceria com o governo estadual e com as administrações municipais, e também alavancar a revitalização do rio São Francisco por meio do Plano Novo Chico recentemente lançado pelo presidente da República – os estados da Bahia e de Minas Gerais são os principais produtores de água para o rio”, frisou.

Água para desenvolvimento

A etapa da Adutora do Algodão inaugurada neste sábado teve recursos federais de R$ 44,2 milhões repassados pela Codevasf e execução do Governo do Estado da Bahia por meio da Embasa. “Guanambi e Caetité sempre tiveram excelente potencial de desenvolvimento, mas a oferta de água era um forte limitador – tanto para a agricultura como para o comércio e a indústria. Sem água, uma região não se desenvolve. A água do rio São Francisco que chega agora às torneiras significa segurança hídrica, tanto para o abastecimento humano como para os negócios da região, para a geração de emprego e renda”, assinalou o governador Rui Costa.

O prefeito de Caetité, Zé Barreira, observou que a gravidade da escassez de água era tamanha que muitas pessoas chegaram a se mudar do município. “Com a seca, a falta de chuvas, passamos a ter racionamento – um problema seríssimo que agora está definitivamente sanado na sede municipal e em seu principal distrito”, celebrou. “Água é vida, desenvolvimento, crescimento”. A estrutura do sistema é formada por seis estações elevatórias, cinco caixas de passagens, três unidades de reservatório e cerca de 90,5 quilômetros de tubulação, entre adutoras e redes de distribuição.

“Com obras como essa, a Codevasf cumpre o seu papel de indutora do desenvolvimento regional na região das bacias hidrográficas”, comentou o superintendente regional da Codevasf, Harley Nascimento, que também esteve presente ao evento. Os secretários estaduais Josias Gomes (Relações Institucionais), Jerônimo Rodrigues (Desenvolvimento Rural), Cássio Peixoto (Infraestrutura Hídrica e Saneamento) e Vítor Bonfim (Agricultura) prestigiaram a inauguração da segunda etapa da Adutora do Algodão, ao lado de deputados estaduais, federais, do presidente da Assembleia Legislativa Marcelo Nilo e da senadora Lídice da Mata.

Qualidade e boa distribuição

Sidney Dias, geógrafo, morador do distrito de Maniaçu, em Caetité, comemora a chegada da água em casa. “Estávamos com um sistema precário e irregular. Agora, passaremos a ter água de qualidade, e que será bem distribuída para todas as residências”, nota. Sebastião Araújo, agente de trânsito de Lagoa de Dentro, conta que a família buscava água a 3 km em carros com bois e tambores de 500 litros. “Era muito sofrimento, sobretudo porque meus pais vivem da agricultura. A água veio em ótima hora”, garante.

A primeira etapa da Adutora do Algodão, em operação desde novembro de 2012, representou um investimento federal de cerca de R$ 136 milhões. Mais de 110 mil pessoas estão sendo beneficiadas pela primeira fase da obra nos municípios de Malhada, Iuiú, Palmas de Monte Alto, Candiba, Pindaí, Matina e Guanambi; nas localidades de Mutãs (Guanambi) e Pajeú do Vento (Caetité), além de outras localidades rurais situadas ao longo da área de influência do sistema.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here

20 − três =