Franquia de programação e robótica busca expansão no país

A SuperGeeks ensina crianças a partir dos cinco anos de idade a programarem (Fotos: Divulgação)

Em um mundo onde quase tudo é controlado por máquinas, saber programar e deixar de ser apenas um usuário da tecnologia, tornou-se um diferencial, assim como aprender inglês foi e ainda é. Fundada em 2014, a SuperGeeks (http://supergeeks.com.br) foi criada justamente para contribuir com o crescimento individual de cada ser, de modo a inseri-lo melhor no atual contexto tecnológico. Um dos objetivos da escola é ensinar as pessoas a criarem tecnologias, estimulando também a formação de programadores.

Com 30 unidades em operação no país e mais 20 previstas para o primeiro semestre de 2017, a rede atende atualmente cerca de 3 mil alunos e visa crescer ainda mais. “Queremos começar o próximo ano com pelo menos 40 unidades, chegando em 50 até o final do primeiro semestre de 2017 e pelo menos 80 até o final de 2017”, conta um dos fundadores da SuperGeeks, Marco Giroto.

A rede foi fundada por Marco Giroto e Vanessa Ban
A rede foi fundada por Marco Giroto e Vanessa Ban

A rede surgiu quando seus fundadores – Marco Giroto e Vanessa Ban que moravam no Vale do Silício (EUA), perceberam que escolas, empresas e políticos americanos estavam se mobilizando para ensinar Ciência da Computação para crianças e adolescentes. Amante da tecnologia, Giroto começou a programar cedo, com apenas 12 anos e uniu toda sua expertise com a ampla experiência de Vanessa em lecionar para juntos fundarem a primeira escola de Programação e Robótica (Ciência da Computação) para crianças e adolescentes do Brasil.

“Nossa principal missão é ensinar Ciência da Computação de forma divertida, fazendo nossos alunos pensarem de forma criativa, raciocinarem de maneira sistêmica e trabalharem de forma colaborativa, levando, assim, o conhecimento de tecnologia e diversas outras habilidades para o maior número de pessoas possível e ajudando o Brasil a se tornar referência em tecnologia”, explica Marco.

Metodologia

Com uma metodologia específica e apoio pedagógico adequado para que o ensino seja aproveitado ao máximo e para que os alunos não se desmotivem, a SuperGeeks oferece três tipos de cursos, desde os regulares, extras e os denominados “QuickCodes”, que são mais curtos. Destinados a crianças dos cinco aos dezesseis anos de idade, os cursos são completos e englobam os principais aspectos de ciência da computação. “Ensinamos desde o desenvolvimento de games, robótica, passando por criação de aplicativos e sistemas web, e entrando no mundo da realidade virtual, aumentada e inteligência artificial, incluindo questões de redes de computadores e servidores”.

Como as crianças vivem no mundo dos games e da tecnologia, elas ficam curiosas de como criar games e novas tecnologias. Em um dos cursos de robótica, por exemplo, os alunos da SuperGeeks chegaram a desenvolver um drone. “Hoje, ser Geek e Nerd está na moda, por isso são as próprias crianças que nos procuram e não ao contrário, cerca de 70% delas pediram para seus pais as matriculem. Ou seja, a maioria do nosso público quer fazer o curso por vontade própria”, ressalta o empresário.

“A SuperGeeks com certeza é o negócio das nossas vidas. Uma empresa que dedicamos mais de 12 horas por dia, inclusive em feriados e finais de semana, pela qual estamos dando o nosso sangue e suor e o melhor de nós. Tenho certeza que iremos sempre crescer, ajudando o Brasil a ter uma educação tecnológica de qualidade”, finaliza Marco.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here

doze − 2 =