Capa > Economia Brasileira > Remédios mais caros: varejo já repassou 10% dos 12% previstos
A pesquisa comparou os valores dos dez medicamentos mais buscados no site antes e depois do reajuste
A pesquisa comparou os valores dos dez medicamentos mais buscados no site antes e depois do reajuste

Remédios mais caros: varejo já repassou 10% dos 12% previstos

Após o reajuste de 12,5% no custo de medicamentos ser autorizado pelo Governo Federal, os varejistas repassaram quase todo o aumento (10,08%) ao consumidor. É o que mostra levantamento inédito realizado pela plataforma de comparação de preços de medicamentos Cliquefarma (www.cliquefarma.com.br).

Remédios infoA pesquisa comparou os valores dos dez medicamentos mais buscados no site antes e depois do reajuste e notou que a diferença entre os preços variou de 7,76% a 12,51%. “O aumento não é uma boa notícia para os consumidores, porém ficou muito próximo à inflação do período, de forma geral, uma vez que os laboratórios e consequentemente as farmácias já estão repassando quase ou integralmente essa taxa”, comenta Ângelo Alves, fundador do Cliquefarma.

O produto que apresentou maior variação de preço é o Tamiflu 75mg, para tratamento e prevenção das gripes influenza A e B. Em março, o remédio custava R$ 188,28 e, em abril, subiu para R$ 211,83. Já o Velamox BD 400 mg/100 ml – a famosa Amoxicilina –, para infecções bacterianas, teve o menor índice de aumento: de R$ 22,03, passou a custar R$ 23,74.

Vale lembrar que o reajuste não foi igual em todas as farmácias e que, portanto, o valor dos remédios varia de um lugar para o outro. “Algumas redes seguram o reajuste e congelam os preços temporariamente. Por isso, é importante que, antes de comprar, os consumidores pesquisem na web para encontrarem o que mais se encaixa no bolso”, aconselha o especialista do Cliquefarma. O site possui cerca de 190 mil ofertas de 32 redes de drogarias em sua base de comparação.

Share

Leia Também

Os índices de reajuste são calculados com base no IPCA  (Foto: Marcos Santos USP Imagem)

Preço dos medicamentos terá um reajuste de até 4,76%

Com base na inflação de fevereiro, a Interfarma (Associação da Indústria Farmacêutica de Pesquisa) estima …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 × dois =

Share