Capa > Economia Baiana > Bahia criou 847 postos formais de trabalho em julho
Em todo o país foram abertas  35,9 mil vagas de trabalho com carteira  em julho (Foto: Foto: Rafael Neddermeyer / Fotos Públicas)
Em todo o país foram abertas 35,9 mil vagas de trabalho com carteira em julho (Foto: Foto: Rafael Neddermeyer / Fotos Públicas)

Bahia criou 847 postos formais de trabalho em julho

A Bahia criou 847 postos de trabalho com carteira assinada em julho de 2017, de acordo com as informações do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), sistematizadas pela Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia – SEI.  O resultado positivo é o primeiro após três anos de resultados negativos e decorre da diferença entre 45.302 admissões e 44.455 desligamentos.

O saldo de julho de 2017 se apresentou num patamar superior ao de junho, que foi de -1.290 postos de trabalho, sem as declarações fora do prazo.

Setorialmente, em julho, cinco segmentos contabilizaram saldos positivos: serviços (+1.726 postos), indústria de transformação (+918 postos), construção civil (+590 postos), administração pública (+202 postos) e extrativa mineral (+62 postos). Por outro lado, os setores que desligaram trabalhadores celetistas foram: comércio (-1.473 postos), agropecuária (-1.057 postos) e serviços industriais de utilidade pública (-121 postos).

Análise regional

Em relação à geração líquida de postos de trabalho, a Bahia (+847 postos) ocupou a quarta posição dentre os estados nordestinos e a 13ª no Brasil em julho de 2017. Na Região Nordeste, além da Bahia (+847 postos), mais seis estados apresentaram desempenho positivo: Ceara (+1.871), Maranhão (+1.567 postos), Rio Grande do Norte (+963 postos), Paraíba (+809 postos), Pernambuco (+794 postos) e Piauí (+240 postos). Em contrapartida, Sergipe (-309 postos) e Alagoas (-141 postos) eliminaram posições celetistas.

Leia Também

Com a alta de preços, o custo por metro quadrado da construção civil ficou em R$ 1.052,75. A mão de obra foi 0,90% mais cara, passando a custar R$ 514,97 por metro quadrado (Foto: Dênio Simões/ Agência Brasília)

Custo da construção civil cresce 0,58% em julho, diz IBGE

O Índice Nacional da Construção Civil (Sinapi), medido pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezenove + oito =