Capa > Economia Brasileira > Senado vota reforma trabalhista; acompanhe ao vivo
Impedido de presidir votação da reforma trabalhista, o presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE),  suspendeu a sessão. A decisão foi tomada depois que a senadora Fátima Bezerra (PT-RN), que conduzia os trabalhos, se negou a dar o assento da presidência da sessão a Eunício. O senador mandou desligar os microfones e apagar as luzes (Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil)
Impedido de presidir votação da reforma trabalhista, o presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), suspendeu a sessão. A decisão foi tomada depois que a senadora Fátima Bezerra (PT-RN), que conduzia os trabalhos, se negou a dar o assento da presidência da sessão a Eunício. O senador mandou desligar os microfones e apagar as luzes (Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil)

Senado vota reforma trabalhista; acompanhe ao vivo

Após novos momentos de bate-boca e confusão, os senadores começaram a encaminhar a votação da reforma trabalhista no plenário do Senado. O presidente da Casa, Eunício Oliveira (PMDB-CE), retornou ao local e, sob protestos da oposição, anunciou a reabertura dos trabalhos.

Como a Mesa Diretora continuava ocupada pelas senadoras da oposição, Eunício se sentou no canto da mesa e, mais uma vez, fez uso do microfone sem fio.

Desde o fim da manhã, quando impediram Eunício de se sentar na cadeira de presidente, parlamentares oposicionistas obstruíram os trabalhos e permaneceram no plenário, sob a condição de ser votado separadamente um dispositivo do projeto que trata do trabalho de mulheres grávidas em locais insalubres. O senador suspendeu a sessão por tempo indeterminado e determinou o desligamento das luzes do plenário.

Às 18h36, três minutos depois de retornar ao local, Eunício pediu que as lideranças de partidos orientassem suas bancadas sobre como votar. “Senhoras senadoras e senadores, já podem votar”, disse Eunício, sob aplausos de governistas. Como forma de protesto, parlamentares da oposição pediram que fosse concedido o tempo regimental para que os líderes se manifestassem, ao que Eunício argumentou que não poderia abrir o microfone e conceder a palavra enquanto não se sentasse na cadeira. Após 11 minutos de confusão e bate-boca entre os parlamentares, a senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) se levantou e, seguida das outras parlamentares, deixou a mesa.

Neste momento, um grupo de manifestantes portando cruzes e bandeiras e pedindo a saída de Temer, tenta entrar nas dependências do Senado. Embora a votação já tenha sido iniciada, com quórum de mais de 50 senadores na Casa, Eunício Oliveira finalmente concedeu a palavra às lideranças. “Palavra, eu cumpro. Não vou encerrar a votação, vou dar o encaminhamento de líderes”, afirmou.

Até então, sete partidos ainda não haviam encaminhado seus votos. Já as lideranças governistas estão abrindo mão da fala. Até o momento, manifestaram-se os senadores Gleisi Hoffmann (PT-PR) e João Capiberibe (PSB-AP). (Paulo Victor Chagas – Repórter da Agência Brasil)

Share

Leia Também

Os ajustes faziam parte de um acordo firmado pelo presidente Michel Temer com os senadores (Foto: Wilson Dias/Agência Brasil)

Governo edita MP que muda pontos da reforma trabalhista

O governo federal editou Medida Provisória 808 para ajustar pontos da reforma trabalhista, que entrou …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

catorze + 3 =

Share