Capa > Atualidade > Pesquisa: aprovação de Donald Trump cai para 36%
O índice de desaprovação ou rejeição de Trump subiu cinco pontos percentuais desde a sondagem de abril (Foto: Michael Reynolds/ EFE)
O índice de desaprovação ou rejeição de Trump subiu cinco pontos percentuais desde a sondagem de abril (Foto: Michael Reynolds/ EFE)

Pesquisa: aprovação de Donald Trump cai para 36%

A aprovação do presidente norte-americano Donald Trump caiu de 42% para 36%, na marca dos 100 dias de gestão em abril, ao completar seis meses de governo. A pesquisa, realizada pelo jornal The Washington Post e rede de TV ABC, mostra que a popularidade dele é a pior registrada nos últimos 70 anos no país na comparação com os seus antecessores.

O índice de desaprovação ou rejeição subiu cinco pontos percentuais desde a sondagem de abril. Agora, 58% dos norte-americanos disseram reprovar o governo Trump e 48% afirmaram “desaprovar fortemente” a gestão do atual presidente.

Presidente tenta desqualificar resultados

A pesquisa foi divulgada ontem (16). Depois de conhecer os números, Trump desqualificou o resultado ao chamá-lo de “impreciso em torno de um curto tempo desde a eleição”. Na opinião dele, quase “40% de aprovação” não significam “um resultado tão ruim”.

A pesquisa também comparou a aprovação de Trump durante a campanha, quando era de 43% no começo e 46,4% na reta final. A margem de erro do levantamento é de 2,5% para mais ou para menos. Analistas acreditam que as denúncias de ingerência russa nas eleições representam o principal fator de desgaste de Trump junto à opinião pública.

A aprovação caiu mais na última semana, depois da revelação do contato entre o filho mais velho do presidente, Donald Trump Jr., e uma advogada russa, em um encontro que teria ocorrido para buscar informações que pudessem prejudicar a candidatura de Hillary Clinton.

A pesquisa Washington Post/ABC também mediu o impacto da revelação sobre Trump Jr. junto ao eleitorado. Cerca de 26% dos eleitores não viram problema no encontro, enquanto 63% disseram que a reunião foi inapropriada.

Na visão dos entrevistados, também é mais importante que o governo implante um plano de saúde para os mais necessitados e que realize cortes nos impostos. O estudo indicou que 63% afirmaram que o governo federal deve prover um plano de saúde para americanos de baixa renda, como o extinto Obamacare. Para 27% dos entrevistados, o mais importante é a redução de impostos. (Leandra Felipe – Correspondente da Agência Brasil)

Leia Também

Haley insistiu que o governo americano está "tentando qualquer outra possibilidade", mas reconheceu que "há muitas opções militares na mesa"  (Foto: EFE/Shawn Thew)

Embaixadora diz que diplomacia se esgotou com Pyongygang

A embaixadora dos Estados Unidos nas Nações Unidas, Nikki Haley, declarou neste domingo (17) que …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

doze + sete =