Capa > Economia Baiana > Codeba autoriza estudo de viabilidade para Moinho de Ilhéus
O Moinho de Ilhéus esteve em operação de 1994 até 2004, quando processava cerca de 80 mil toneladas de trigo, ao ano (Foto: Divulgação/Codeba)
O Moinho de Ilhéus esteve em operação de 1994 até 2004, quando processava cerca de 80 mil toneladas de trigo, ao ano (Foto: Divulgação/Codeba)

Codeba autoriza estudo de viabilidade para Moinho de Ilhéus

A diretoria executiva da Codeba aprovou a contratação do Estudo de Viabilidade Técnica Econômica e Ambiental (EVTEA), que vai gerar subsídios para a preparação do edital de nova licitação para cessão de uso onerosa do Moinho de Trigo, no município de Ilhéus. “Nosso objetivo é garantir que o moinho volte a exercer seu papel comercial local”, resumiu o presidente da Codeba, Pedro Dantas. O moinho está localizado em uma área não afeta as operações portuárias de quase 11 mil metros quadrados pertencente ao Porto de Ilhéus.

“A reativação do equipamento vai garantir aumento de receita para o município por meio de tributos, geração de empregos diretos e indiretos, maior dinamismo para o Porto de Ilhéus, facilitador de chegada e escoamento de vários produtos, dentre outras vantagens”, destacou o diretor comercial e de desenvolvimento de negócio da Codeba, Élio Regis. O moinho esteve em operação de 1994 até 2004, quando processava cerca de 80 mil toneladas de trigo, ao ano.

A EVTEA vai reavaliar os preços da última licitação realizada pela Codeba em março deste ano, cujo procedimento licitatório foi deserto. Na época, foi levado em consideração o valor patrimonial, sendo cobrado o mínimo de R$ 83.445,00 ao mês, totalizando R$ 1 milhão ao ano. “O estudo irá avaliar os investimentos necessários e assim a Codeba ter parâmetros mais condizentes com a realidade de mercado para estabelecer os valores”, enfatizou Élio Regis.

Outras ações –
Na última sexta-feira, dia 2 de setembro, o presidente da Federação das Indústrias do Estado da Bahia (Fieb), Ricardo Alban, diretores da instituição e empresários fizeram uma visita ao Porto de Ilhéus, na companhia do diretor Élio Régis. A missão objetivou promover uma ação conjunta para atrair novos investidores e, consequentemente, mais cargas para o porto público, além de criar meios visando sensibilizar interessados em explorar o moinho.

Movimentação de carga – Até o final desse ano, está previsto a movimentação de cerca de 37 mil toneladas de cargas no Porto de Ilhéus. Estão sendo esperados navios que vão operar carga eólica (35 a 39 pás), cacau importado (cerca de 25 mil toneladas) e magnesita (12 mil toneladas). Para janeiro e fevereiro de 2017, é estimada a importação de 15 mil toneladas de cacau.

Já está programada também a chegada dos navios transatlânticos para esta temporada, de 16 de outubro de 2016 a 17 de abril de 2017. Um total de 15 navios, com aproximadamente 55 mil pessoas. Como ocorre anualmente, outras embarcações não previamente agendadas são esperadas para chegarem no Porto de Ilhéus.

De janeiro a agosto deste ano, o Porto de Ilhéus exportou 62 mil toneladas de soja, 25 mil de magnesita, 39 mil de níquel e mais 24 mil de milho. O porto registrou também no mesmo período, 50 mil toneladas de cacau importado.

Share

Leia Também

Os cultivos do Vale do São Francisco contam com um sistema especial do Ministério da Agricultura para reduzir o tempo de espera até o embarque

Porto ganha fiscalização diferenciada para exportação de frutas

O Porto de Salvador é o único da região Nordeste que conta com uma força-tarefa …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

16 + dois =

Share